quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

BELÉM 396

fundação da cidade de belém (tela de 1908) - theodoro braga


poema 396


mais de trinta anos vivi em belém
mormente nasci adoeci sarei e
morri em belém
anti-comoção de minha vida

foi um tempo de quartos
sem janelas, aliás, já perto do fim
me dei janelas fulcrais - viradas para o poente
porque a ganância me iludiu

via o sol se espetar nos prédios
arredio, e nem um vento rajado
vinha o ventilador
despetalar

um dia quando eu nunca mais voltar
mandarei erguer uma casa
na campina, onde a alma de alguma
do XVIII viceja desabada... melhor: eu mesmo
vou fazer minha morada, de janelas agora
abertas ao nascente

e na madrugada ouvirei
- pouco antes do arrebol -
um friozinho vento me dizer lençol

(depois a morte geminada vai murar minha janela)

e lá no alto da pixuna boca
eternos satélites e o fio equador

 

.
.

poema inédito de paulo vieira
.
 
.

2 comentários:

verdeamazonia disse...

janelas, poente, nascente e...
pixuna boca.

Hugs!

paulo vieira disse...

braitionit! irmão!

eu, como você agora, carrego comigo a cidade, na mochila da memória! força aí!