segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

MURO DE ANIVERSÁRIO...

inscrição da rua, autor desconhecido, by paulo vieira
.

muros


29 anos e nem um tiro na cabeça
nenhuma surpresa, tipo sair pela noite correndo
e encontrar o mar, mas se ainda assim me vendo
e saio por aí às tontas é só para ver, cego e sem pressa,


que mesmo com a venda ao alcance da mão,
nem assim controlo o nível da cegueira.
29 anos e nem um tiro no coração,
madrugada morna, perfeita, e eu aqui à beira


dessa cama estranhando a posição do corpo
no colchão, a falta de tranquilidade, como se nos 29
últimos anos a cama não tivesse recebido este mesmo corpo
que cada noite se engendrava, quieto. mas agora ele se move


inconformado, talvez pela insônia que jamais sonhou.
29 anos e nem um tiro, sequer acidental, no espirito
desse corpo cansado de sentir cansaço, corpo onde sou
apenas um silêncio rouco após o grito.



.

.



belém, 02 de dezembro de 2007
inédito de paulo vieira




2 comentários:

Marcelo Marat disse...

Talvez cada poema seja esse tiro, talvez seja o que o evita...

arcanjotempo disse...

... apenas o silêncio


de um mudo


nada inconformado.