sábado, 28 de junho de 2008

QUADRO INFANTIL


em garça, na festa da cerejeira, com o poeta arnaldo antunes, supertramp e pablo superzinho - na piscina abaixo... (repare na mão do poeta, orquídeas e infâncias, e na piscina, cochilando, Le Petit Prince) by um simpático rapaz de kimono.



.


E MAIS UM DE AMOR


.


à margem de uma lua cítrica o clarão
da chama calma que derrete e desvela
devagar meu coração, ao jeito de uma vela,
oferecido aos deuses, em sacrifício vão.

chego a esse ponto: dar até o que não tenho
..................................................[sem lutar.
cansada de meus crimes vênus me condena
a fazer tudo de novo, humilhante pena,
enquanto o coração vai derretendo devagar.

tudo posto, do amar nada resta além do erro
de pensar que se aprende algo em meio a dor;
o coração vai derreter até o fim, é sempre
............................................[esse desterro,
à margem de uma lua indiferente ao amor.


.


inédito de paulo vieira
av. paulista, madrugada, jun, 2008.

5 comentários:

forestman disse...

Que bacana!!!
Mas o antunes nâo balançava muito na hora da foto?

kkkk

fabricio

thiara disse...

oi
li augusto dos anjos esses dias, lembrei de ti
lindo o poema
esse domingo foi de trabalho, as coisas estão sistemáticas e quadradas por aqui, a minha cabeça não para e nunca se é bom o suficiente, como você já havia me dito...
obrigada por tudo meu querido amigo.
foi muito bom te ler no quase fim desse domingo tão pouco generoso comigo...
é tão delicado o poema

paulo vieira disse...

oi lalú,


sordade too. delicado, perfeita definiçao a tua, como sempre.

beijos,

p

paulo vieira disse...

braitinit,
o cara nao balançava, tava supre relaxado, depois te conto...


beijos,


paulo

Cassia disse...

paulista de madrugada é um ótimo lugar para escrever poesias

ainda mais de amor =)