quarta-feira, 25 de julho de 2007

CASO DO ESTUPRO

cobra de miriti by paulo vieira
.

pôs o revólver na cabeça da pequena e disse:

- vai tirando tudo, tudinho. e sem choro,
ou te meto uma bala no meio da cara.

rendida, ela obedecia quase sem espanto,
fria como um estuprador.

pronto. logo estava nua em pêlo.

o tarado desconcerta-se um pouco
com tamanha cooperacão e anuncia
que vai maltratá-la, pô-la de quatro,
lambuzar-se, cuspir na cara,
morder os mamilos...

ela, tranquila, como se quisesse
resolver logo tudo e ir-se pra casa.

frente a tamanha resignação
e calma o pobre, indefeso,
pervertido queda-se derrotado.

mas num ímpeto de desespero,
o envergonhado estuprador
engatilha a arma e aponta
pra nuca da vítima
(nuca macia, jeitosa,
de pelinhos dourados).

daí ela quebra o silêncio
de dama e diz com voz
irônica, quase se rindo:

- agora vai querer me matar
pra nao saberem por ai
que o coitadinho
não deu conta. não é?
se encherga rapaz!

empurra o revólver
e começa a vestir-se.
.
paulo vieira

3 comentários:

thiara disse...

sim poeta o xarqmam quer saber o que são os outros badulaques

kiss

Fraulein Blau disse...

Surpreendente! Conheci teu blog através de uma amiga em comum e adorei! Com tanta coisa chata e sem graça na blogosfera, te revelas uma pedra preciosa perdida no meio desse pardieiro...

Kuß!

Anônimo disse...

criatividade à parte, só sei que me fizeste rir.... Le texte est super...je l'ai aimé. bjs.

Chiquinha O'hara